Perfil

SIC Radical

Ainda tens PS2? Estes são os 30 melhores jogos de sempre!

Uma lista verdadeiramente nostálgica daquela que continua a ser considerada uma das consolas de jogos favoritas dos fãs da PlayStation.

Parecem não haver dúvidas, entre a comunidade de gamers espalhada pelo mundo: A PlaySation 2 continua a ser uma das melhores consolas de videojogos de todos os tempos. Não apenas por ser a detentora do maior número de vendas, entre quaisquer outras consolas domésticas ou portáteis, mas também por suportar milhares de títulos, ao chegar numa época em que os videojogos entravam numa fase de maior complexidade, cada vez mais artísticos, e envolventes.

Se quem nos lê fez parte de uma geração que descobriu os jogos de consola e a PS2 através do ‘GTA III’ ou do ‘God of War’, há então uma grande probabilidade de que este dispositivo doméstico tenha desempenhado um papel bastante importante durante os tempos de uma juventude que já lá vai…

Mas como recordar é viver, o site Complex percorreu o caminho das boas memórias, ao recuperar aqueles que considera ser os 30 melhores jogos feitos para esta consola que prendeu gerações a intermináveis horas de jogo. Claro que relembrar muitos destes jogos é recuperar boas ou até más lembranças, mas o que ficam são os momentos! Acede à lista apresentada, e faz a contagem de quantos destes jogos passaram pela tua consola.

30. ‘Devil May Cry’ (Produzido por: Capcom; Ano: 2001);

O herói presente em Devil May Cry é um ser meio humano, meio demónio, chamado Dante, e filho de um cavaleiro das trevas, que está em busca de vingança pela morte da mãe e do irmão. Pelo meio, é também um investigador particular que luta com espadas e revólveres. Portanto, se isto não resume a excentricidade do jogo, não sabemos o que pode.

29. ‘Disgaea: Hour of Darkness’ (Produzido por: Nippon Ichi Software; Ano: 2003);

Hour of Darkness combina elementos táticos e estratégicos com um certo elenco de personagens maliciosas, para criar um RPG heterodoxo que pode ser jogado indefinidamente. Um jogo para todos os sérios gamers, em busca de desafios únicos.

28. ‘Gran Turismo 4’ (Produzido por: Sony Computer Entertainment; Ano: 2005);

Enquanto jogos como Burnout revelam o caos ou a carnificina, Gran Turismo 4 é tudo sobre precisão. É o que se considera como Santo Graal dos simuladores mais realistas. A única reclamação? Não se podem danificar os veículos…

27. ‘Jak and Daxter: The Precursor Legacy’ (Publicado por: Sony Computer Entertainment; Ano: 2001);

Uma cópia de Banjo Kazooie? Talvez, mas não importa: The Precursor Legacy é uma experiência de jogo tranquila e divertida, com ótimos gráficos, e um extenso ambiente por explorar.

26. ‘Psychonauts’ (Produzido por: Majesco Entertainment; Ano: 2005);

Um jogo que foi criminalmente esquecido. Psychonauts combina uma sólida jogabilidade, com um forte enredo e ambientes surreais e caprichosos. Se não o apanhou em 2005, está sempre a tempo de ainda experimentar.

25. ‘Bully’ (Produzido por: Rockstar Games; Ano: 2006);

Um jogo que atraiu muita crítica negativa, mas que na realidade não merecia. Bully era mais sobre como enfrentar os ‘valentões’ do que promover realmente a violência nos intervalos das aulas. A violência retratada é relativamente pacata para os padrões reconhecidos da Rockstar.

24. 'Beyond Good and Evil' (Produzido por: Ubisoft; Ano: 2003);

Um jogo que não teve o apreço como merecia. Beyond Good and Evil narra a história de um corajoso fotojornalista que se propõe a expor a corrupção, e a trazer a verdade à luz do dia.

23. ‘Soulcalibur II’ (Produzido por: Namco; Ano: 2003);

Mais um clássico jogo de luta, Soulcalibur II apresentava ótimos gráficos, sólido áudio, toneladas de missões, armas, e estratégias, e até introduziu novas personagens. Um jogo de luta bem executado em todos os níveis.

22. ‘Jak 3’ (Produzido por: Sony Computer Entertainment; Ano: 2004);

Jak 3 é um ótimo jogo de ação e aventura, composto por animações suaves, gráficos fantásticos, e uma série de novas armas e habilidades. Simplificando, é o melhor jogo da série Jak.

21. ‘Katamari Damacy’ (Produzido por: Namco; Ano: 2004);

A premissa deste jogo é bastante simples: criar o maior katamari possível, apanhando tudo ao seu redor. Quanto maior o katamari, mais objetos o jogador pode ir apanhando. Um jogo incrivelmente viciante, e surpreendentemente gratificante.

20. ‘Sly 3: Honor Among Thieves’ (Produzido por: Sony Computer Entertainment; Ano: 2005);

Igual aos restantes jogos desta série, Sly 3 tem os furtos como objetivo principal. Acessível a todos, mas desafiador o suficiente para manter os jogadores intrigados, é apenas um jogo com uma sólida plataforma.

19. ‘Silent Hill 2’ (Produzido por: Konami; Ano: 2001);

O volume 2 de Silent Hill é um verdadeiro clássico do survival horror, e sem dúvida o melhor jogo da série. É projetado para o público adulto, contando com atmosfera e elementos surreais, que ajudam a construir uma experiência de jogo verdadeiramente aterrorizante.

18. ‘Devil May Cry 3: Dante’s Awakening’ (Produzido por: Capcom; Ano: 2005);

Dante’s Awakening é um verdadeiro avanço em relação aos anteriores jogos de Devil May Cry. Mais um protagonista meio humano, meio demónio, ao mesmo tempo que entrega grandes armas por toda a parte. Um clássico hack and slash para a PS2.

17. ‘Prince of Persia: The Sands of Time’ (Produzido por: Ubisoft; Ano: 2003);

Sands of Time tem tudo o que um jogador de aventura poderia pedir: ação frenética, bons gráficos, animações que desafiam a gravidade, um ambiente mágico, e a útil Dagger para nos dar outra chance quando falhamos.

16. ‘God of War’ (Produzido por: Sony Computer Entertainment; Ano: 2005);

Uma ação nada menos do que brutal, e foi aqui que tudo começou. Um desafio aos Deuses numa série de batalhas cada vez maiores, com algumas pausas pelo meio, para resolver alguns quebra-cabeças.

15. ‘Grand Theft Auto III’ (Produzido por: Rockstar Games; Ano: 2001);

GTA III mudou para sempre o cenário dos videojogos. Foi, sem dúvidas, um marco cultural que lançou sucessivas gerações de imitadores. Ainda conseguimos encontrar o caminho de Portland até Shoreside Vale sem usar o mapa.

14. ‘ESPN NFL 2K5’ (Produzido por: Visual Concepts; Ano: 2004);

Este foi o último dos jogos ‘non-Madden’, e por um tempo, foi considerado o melhor jogo da NFL de todos os tempos. Os críticos adoraram os gráficos e a profunda jogabilidade.

13. ‘Shin Megami Tensei: Persona 4’ (Produzido por: Atlus; Ano: 2008);

Persona 4 foi verdadeiramente único, mesmo que alguns o definam como muito estranho. O jogo consiste em partes iguais de um mistério envolta de um assassinato, drama escolar, e RPG. Jogá-lo com sucesso significa equilibrar o trabalho do meio do período com a missão de restaurar a calma numa pacífica vila japonesa, destruída por uma série de brutais matanças.

12. ‘Ratchet & Clank: Up Your Arsenal’ (Produzido por: Sony Computer Entertainment; Ano: 2004);

A terceira e melhor sequência da série Ratchet & Clank apresenta uma ação de salto sobre o planeta, e um enorme arsenal de armas e atualizações.

11. ‘Metal Gear Solid 2: Sons of Liberty’ (Produzido por: Konami; Ano: 2001);

Um jogo que se considera ‘muito sério’, mas a busca para derrubar Sons of Liberty é o resumo dos jogos de ação e aventura, com qualidade.

TOP 10

10. ‘Resident Evil 4’ (Produzido por: Capcom; Ano:2005);

Mais um jogo que mescla terror e sobrevivência, num tom arrepiante. Resident Evil 4 é polido, e expansivo. São mais de 25 horas de jogo nesta história, com desafios a cada passo.

9. ‘Final Fantasy X’ (Produzido por: Square Enix; Ano: 2001);

É capaz de ser o RPG favorito dos produtores desta lista. O universo é incrível, e é um dos jogos que demarca um avanço rumo aos videojogos mais cinematográficos.

8. ‘Grand Theft Auto: Vice City’ (Produzido por: Rockstar Games; Ano: 2002);

Este jogo tem de tudo! Vice City é espalhafatosa, violenta, animada e cativante. A seleção de armas de jogo é enorme, as missões variam entre as mais sombrias ou malucas, e o cenário é um raio de sol desbotado dos anos 1980. É sem dúvida tempo para revisitar Vice City.

7. ‘Metal Gear Solid 3: Snake Eater’ (Produzido por: Konami; Ano: 2004);

Mais um marco para os jogos de ação furtiva. Os gráficos foram melhorados, os ambientes são mais vivos que nunca, e a história mantém-nos agarrados do início ao fim. Snake Eater era o melhor jogo da série até o lançamento de MGS4.

6. ‘Ico’ (Produzido por: Sony Computer Entertainment; Ano: 2001);

Um exemplo impressionante de encarar um videojogo como arte, Ico tem tudo a ver com atmosfera. O cenário é assustador e misterioso, e os gráficos ambientais são perfeitos. Capaz de deixar qualquer um literalmente sem palavras.

5. ‘Okami’ (Produzido por: Capcom; Ano: 2006);

Um jogo bonito, que pede aos seus jogadores para recuperarem um mundo atacado por uma maldição, tornando novamente habitável para todas as suas criaturas. Não é exatamente um material de grande sucesso, mas ficou criminalmente nas gavetas. Mas quem o jogou sempre o definiu como um dos melhores.

4. ‘God of War II’ (Produzido por: Sony Entertainment; Ano: 2007);

God of War foi inovador. O II jogo elevou a fasquia para todo um outro nível. A ação, já épica, foi aprimorada, através de novos cenários e novos filmes de combate, com gráficos melhorados, capazes de tornar este cenário mitológico mais épico.

3. ‘Kingdom Hearts’ (Produzido por: Square Inix; Ano: 2002);

Kingdom Hearts, que apresenta personagens da Disney, como o Pato Donald, é um jogo surpreendentemente sofisticado, que combina elementos de ação e RPG, seguindo um enredo complexo e polido. Não se deixe enganar por um elenco mais ‘pateta’.

2. ‘Shadow of the Colossus’ (Produzido por: Sony Computer Entertainment; Ano: 2005);

Facilmente considerado como um dos jogos mais bonitos alguma vez já criado, Shadow of the Colossus conta uma arrebatadora e comovente história sobre o poder do amor, e a dor da morte. É para jogar com um maço de lenços ao lado.

1. ‘Grand Theft Auto: San Andreas’ (Produzido por: Rockstar Games; Ano: 2004);

Havia alguma dúvida? Este lançamento de grande sucesso continha tudo o que o jogador podia esperar. O que começa com uma história sobre rivalidade acaba a vaguear por vários cenários e subculturas, a caminho de um final inesquecível. O elenco é selvagem, a trilha sonora atinge todos os pontos nostálgicos, e CJ ainda é o protagonista deste GTA!

nas redes

pesquisar